sábado, 20 de novembro de 2010

Dia Da Consciência Negra, há o que comemorar?


20 de Novembro data em que se comemora o Dia da Consciência Negra no Brasil, o objetivo é fazer com que as pessoas reflitam sobre a inserção do negro na sociedade, data que coincide com a morte de Zumbi dos Palmares (foto), representante da resistência negra na época da escravidão em Alagoas, onde se concentrou o maior Quilombo da história do nosso país, durou 60 anos e abrigou cerca de 20 mil pessoas.
Em algumas cidades do Brasil é considerado feriado, acredito que poderia ser feriado nacional, há um projeto para que isso aconteça, pois muita gente nem sabe o que significa, mas será que atingiria a finalidade principal?
Seria de fato importante provocar esse tipo de reflexão para sociedade em que vivemos, onde lamentavelmente é composta de muito preconceito, mesmo sabendo da grande miscigenação que compõe o povo brasileiro.
Embora seja uma data de comemoração, acredito que ainda há muito para ser conquistado.
Meus amigos negros podem afirmar melhor do que eu.
Acho que os seminários e palestras que acontecem neste período são prova de que ainda há muito a ser feito.
Infelizmente vivemos numa sociedade muito preconceituosa, pois desde a morte de Zumbi, em 1695, até hoje nos deparamos com cenas de pessoas "imaturas" que discriminam o próximo pelo fato de ser negro.
Isso comprova o quanto o ser humano está atrasado diante da evolução do mundo, é lamentável vermos pessoas de mentalidade tão pequena...
Se vivêssemos numa sociedade justa, os negros não precisariam lutar para que esta data fosse feriado nacional como é 21 de Abril, por exemplo, Dia de Tiradentes.
Ainda há muito para ser conquistado, mas principalmente o preconceito para ser derrotado, acredito que se o ser humano evoluir e deixar de julgar o seu próximo apenas pela cor, será um imenso avanço para alcançarmos uma sociedade mais justa, mas para isso as pessoas precisam ter boa vontade!
Eu como assumidamente adoro um negro, deixo aqui o meu beijo especial aos negros que mais fazem parte da minha vida: Ângelo Dias, Roberto Dymenor, Percival de Souza, Lisiane Alves, Cristina Dias, Marcilio Dantas, Julio Cesar e tantos outros queridos amigos...

E você, o que pensa sobre o Dia da Consciência Negra?


segunda-feira, 15 de novembro de 2010

Viver distante de quem amamos é uma verdadeira prova de amor


Hoje resolvi falar de um assunto que conheço muito bem, a distância.
Desde criança moro longe de pessoas importantes como: avós, primos e tios.
Mas o interessante é que minha mãe nunca deixou que a distância de fato nos dominasse, acho que ela soube fazer isso muito bem, sempre contando as histórias e nos fazendo lembrar de quem estava longe...
Mas o que me leva a falar da distância desta vez, não são essas lembranças, muito pelo contrário, hoje já adulta e com algumas vivências, posso assegurar quem é importante para mim.
E foi uma destas pessoas que ultimamente me faz pensar nesse assunto, uma amiga muito querida que vai mudar de estado, Deise Cunha, um das melhores pessoas que conheci nesta vida, uma das minhas melhores amigas, ela voltará a morar no Rio de Janeiro, sabia que isso aconteceria, mas não imaginei que fosse tão rápido, antes do previsto, confesso que comecei a chorar ao pensar que "perderia" mais uma pessoa querida para a distância, até que minha irmã me disse: "Ela só vai se mudar Ju, você não vai perder a amizade dela."
E de fato é verdade, nunca perdi meus tios, avós e primos para a distância, eles sempre foram certezas em minha vida, com diferença que não tínhamos datas concretas para nos vermos, mas quando isso acontecia sabíamos aproveitar o momento, hoje com tantos meio que nos aproximam, a distância parece que consegue "minimizar" um pouco.
Outra coisa que me faz compreender que a distância não é um "bicho de sete cabeças" é fato de conviver com amigos que moram em outros estados em perfeita harmonia, e confesso que alguns deles conseguem se tornar mais presentes do que muitos que moram na mesma cidade que eu.
É por saber disto que tenho a certeza que a mudança da Deise não interfirá na nossa amizade, mesmo porque tenho certeza que nem vou dar a chance dela se distanciar de fato, vou dar meu 'jeitinho' para mantê-la informada sobre os acontecimentos da minha vida, sempre queremos dividir bons e maus momentos com pessoas queridas!
Hoje vivo distante de pessoas que amo muito, minha mãe, minhas irmãs e sobrinha, mas sei que elas nunca deixarão de ter a importância que tem em minha vida, mesmo porque nem damos muito espaço para a distância, a tecnologia nos aproxima muito, ah, tudo isso tinha que nos trazer benefícios, né?
Mas se não compreendermos as razões que nos distanciam das pessoas, estaremos dando vazão ao egoísmo, mas acredito que quando há amor numa relação, temos a capacidade de torcer pela felicidade do outro, e é por este motivo que aprendi a conviver longe de tantas pessoas que admiro e fazem diferença pra mim.
Aprendi que a distância não é assim tão ruim quanto parece, nos faz pensar mais sobre a vida e principalmente sobre as pessoas que são importante pra nós.
Hoje sei que não perderei a amizade da Deise só por se mudar para o Rio, assim como não perdi a da Mariana Alvarenga que lá também está, do Ângelo Dias em Minas Gerais, Roberto Dymenor em São Paulo, Alciram Duarte no Ceará, e tantos familiares que estão em São Paulo, Ceará, Paraíba, Brasília...
Quem diria que a distância pudesse nos ensinar algo, na verdade nunca imaginamos que as coisas que julgamos "ruins" possam nos trazer benefícios, melhor dizendo, acho que tem um ditado que traduz bem essa sensação: "Há males que vem para o bem."

E você, o que pensa sobre a distância?




terça-feira, 2 de novembro de 2010

Falar da morte não é fácil...


O dia de hoje é ideal para falar sobre o assunto, 02 de Novembro, Dia de Finados, onde todas as atenções hoje são voltadas para relembrarmos das pessoas que já se foram...
Estava esperando o momento certo pra falar do assunto, além de ter sido um tema sugerido por uma amiga, Martha Mary, não estamos livres desta realidade.
Me lembro que durante a minha infância meus pais tinham muito cuidado com o nosso comportamento neste dia e ocasiões de falecimento de alguém, eles não gostavam que ouvíssemos música muito alto, questão de respeito a dor do outro, o que quase não existe mais hoje.
Falar da morte não é assunto fácil, mesmo sendo ela a única certeza que temos vida, há tempos falo sobre o assunto com algumas pessoas e todos me dizem a mesma coisa...
Sempre falo entre amigos e familiares: "Quando eu morrer...." e alguém sempre me diz: "Credo Ju, para!", mas sempre tento lembrar: "Gente a morte é a única certeza que temos na vida!", aí o discurso já muda, as pessoas passam a concordar comigo.
O fato é que perder alguém não é fácil, ainda mais a morte, que em alguns casos nos pega de surpresa, sim porque achamos que ficamos preparados para este momento se uma pessoa está doente ou algo parecido, ou seria isto mais uma desculpa para justificarmos um atropelamento, uma morte repentina?
Cada pessoa tem um maneira diferente para reagir diante a morte, há casos de quem perde que demonstra egoísmo, mesmo sabendo que a pessoa sofreria muito em vida, não aceita o fato dela ter partido e alega que passaria o resto da vida a cuidar daquela pessoa, mas a nossa existência neste plano não é eterna, sabemos que isso vai acontecer, mas a dor da perda é tão grande que nos achamos capaz de conseguir "driblar" esta certeza.
Às vezes tento pensar na morte, na minha e na das pessoas ao meu redor, e juro, caio aos prantos ao pensar que um dia perderei as pessoas que amo na vida!
Foi essa a minha reação quando perdi minha avó paterna e um tio materno, seja lá qual for o grau de parentesco, quando acontece uma morte na família, sempre mexe com a gente, por mais distante que seja a relação, daí começa-se a tentativa de mudar o jeito de viver a vida, sim porque sempre se acha que a partir daquela perda se vai mudar convívio, aproveitar melhor os momentos e principalmente as pessoas.
A morte nos faz refletir sobre a vida, e nem sempre as pessoas querem pensar sobre o assunto, querem apenas vivê-la, mas isso impede de que percebam se estão fazendo da melhor maneira possível.
Quando alguém se vai é que se começa a pensar: "Caramba, como não soubemos aproveitar o momento!", "Nossa como ele se foi cedo e não fizemos metade do que planejamos.", entre tantas coisas que pensamos quando recebemos a notícia de que alguém se foi.
Não temos o poder de impedir a morte, mas temos o poder de ainda mudar a maneira de viver, sim pois este é o contrário dela, temos de saber aproveitar os momentos e as pessoas enquanto há tempo, para que assim evitemos o arrependimento.
Acho que um dos piores erros do ser humano é achar que tudo está sempre ao seu dispor, achamos que as pessoas estarão sempre morando na mesma casa e quando batemos na porta, vemos que o dono mudou, achamos que o número é sempre o mesmo e quando ligamos, nos vem a surpresa de já ter mudado ou não completar mais a ligação, achamos que vamos sempre encontrar a pessoa pelo trajeto que fazemos até descobrirmos que a pessoa foi morar em outro estado, e pior, quando alguém nos liga dizendo que 'fulaninho' acabou de morrer...
Aproveitar cada momento como se fosse o único, uma das lições que um assunto como esse nos ensina;
Rever alguns conceitos e valorizar coisas que de fato tem importância é outro bom ensinamento;
Estar sempre entre pessoas queridas e saber aproveitar cada momento junto de quem amamos, seja num parque, numa boa conversa, cozinhando, jogando dominó, enfim, qualquer coisa que nos satisfaça ao lado de um ser especial.
A morte não é algo fácil de lidar, mas tenho certeza que ensina alguma coisa pra quem fica, é claro!
A saudade fica, aliás só sentimos falta do que nos faz bem!
A tristeza deve ter limite para que não vire depressão.

Optei desta vez por colocar duas versões para esta postagem, a imagem da morte que criaram, sim a foto do início, que inclusive é a mesma do tarô, que tem como significado a transformação na vida da pessoa, é quando uma nova fase está para começar. E a outra opção é o vídeo para o Grupo Vila de Natal que foi criado pela Agência Pandora, que traz um texto lindo e uma locução maravilhosa!

São duas maneiras de se ver a morte, acho que de início vemos mesmo a morte como algo horrível, não que ela se torne linda no passar do tempo, mas quando conseguimos superá-la, a imagem que temos dela muda.

Precisamos mudar enquanto há tempo, aproveitarmos a vida plena que Deus nos permite ter, pois quando a morte chegar, será tarde demais para lamentar o que não foi feito!

Portanto, vou ficando por aqui e aproveitar a linda tarde de sol que está fazendo ao lado de pessoas queridas enquanto estamos vivas!


E você, o que pensa sobre a morte ser a única certeza que temos na vida e não estarmos preparados para ela?



video